As  estratégias  de  manejo do meio ambiente são  estabelecidas  conforme a cultura dos  diferentes  povos   e   comportam   diversas técnicas   transmitidas   por  gerações,  desde  a descoberta  do  fogo   no   paleolítico,  passando pelas   etapas   tecnológicas   na   confecção  de instrumentos  até  a  domesticação  de  animais, cultivo  de  plantas e atualmente a biotecnologia. Entretanto,   com  a   expansão  populacional  as práticas  de manejo  insustentáveis ficaram mais evidentes, multiplicando em várias vezes o poder de  pressão antrópica sobre a natureza afetando diretamente os processos ecológicos  de suporte a  vida  e   suas  implicações  antropológicas  no desenvolvimento civilizatório.

A  presente obra é um   estudo   estratégico   metodológico  com  a utilização  de  indicadores de sustentabilidade na análise quali-quantitativa  e  multidimensional da agricultura familiar em  escala local, tendo como experiência o agroecossistema  insular estuarino  da  Ilha  dos  Marinheiros,  Rio Grande-RS.  Esse enfoque  metodológico  analítico  e  inovador  da sustentabilidade, introduz as bases educacionais para   uma   eficiente   política   de   governo  na   implantação   de  comitês  de  gestão  em  bacias hidrográficas  com ênfase  no uso  múltiplo da  água  e  nos  princípios  da  precaução  e  prevenção.  A  estruturação  da  plataforma  agrega medidas  de  manejo  e  regulação, a  partir  da  formulação  de  uma  política  estratégica  e  aplicada  de governo  e  gestão  para  o   desenvolvimento   rural   sustentável.   Suas   aplicações  aos  processos  de  gestão  e  a abordagem  conceitual e  crítica  da  sustentabilidade  permitem gerar  circuitos espaciais  de manobra   participativa  local,  pactuando de  forma gradativa  e  contínua na  construção  de novos consensos  passíveis  de formular  uma  Agenda  mínima  de ajustes   ecológicos   nos   componentes     estruturais     funcionais     sistema    produtivo,    oportunizando    assim   o advento  de  novos   modelos   e   instrumentos   de   gestão  participativa    como   o  estado democrático  de  direito  no  planejamento  regional.

MSc. Jorge Manzoni é biólogo, capacitado pelas Nações Unidas (ONU) para o gerenciamento costeiro integrado, educador, escritor, produtor cultural, editor e diretor da EcoManzoni – Agência de Sustentabilidade. É autor de diversos estudos como o projeto de justificativa do Curso Técnico em Meio Ambiente do Colégio Estadual Lemos Junior, caracterizada por ser uma instituição centenária e ambientalista, membro do NEREA Investiga, Associação Internacional de Investigadores em Educação Ambiental.
Jorge Manzoni

CONATES

Copyright©2019, CONATES. Todos os direitos reservados.